Avançar para o conteúdo

Movimentos de Ginástica para Todos

Movimentos de Ginástica para Todos
COMPARTILHE!

Movimentos de Ginástica para Todos

Os Movimentos de Ginástica para Todos, incluindo orientações para prática, plano de aula, além do conceito de Ginástica para Todos e seus objetivos.

Exemplos de Movimentos de Ginástica para Todos

Alguns exemplos de movimentos que compõe a Ginástica para Todos são:

  • saltos;
  • estrelas;
  • rondadas;
  • piruetas;
  • rolamentos;
  • paradas de mão;
  • pontes;
  • formações;
  • pirâmides humanas;
  • malabares;
  • tecidos;
  • acrobacias;
  • contorcionismo;
  • equilibrismo.

O que é Ginástica para Todos?

A Ginástica para Todos é a ginástica geral, a ginástica não competitiva, voltada para o lazer, visando o prazer pela prática, estimulando a criatividade e a liberdade de expressão corporal. A Ginástica para Todos tem relação com o componente lúdico da cultura corporal.

A Ginástica para Todos é a única ginástica não competitiva que tem um comitê na FIG (Federação Internacional de Ginástica).

A FIG promove o evento chamado de “Gymnaestrada Mundial”, que consiste no mais importante festival internacional da modalidade, o qual reúne vários países, de quatro em quatro anos, para realizarem apresentações, trocar informações sobre os trabalhos de cada um e discutir a “Ginástica para Todos” como importante elemento de aprimoramento humano. Grupos de todas as idades e condições físicas mostram, em forma de coreografia, a sua forma de praticar a Ginástica para Todos.

O ideal da Gymnaestrada sintetiza-se na seguinte frase: “Os vencedores na Gymnaestrada são os participantes”

Objetivos da Ginástica para Todos

O objetivo da Ginástica para Todos é promover o lazer saudável, proporcionando bem estar físico, psíquico e social aos praticantes, favorecendo a performance coletiva, porém, respeitando as individualidades, em busca da autossuperação pessoal, sem qualquer tipo de limitação para a sua prática, seja quanto às possibilidades de execução, sexo ou idade, ou ainda quanto à utilização de elementos materiais, musicais e coreográficos, sempre sem fins competitivos.

Dentre os principais objetivos da Ginástica para Todos na escola, podemos citar os seguintes:

  • Oportunizar a participação do maior número de pessoas em atividade físicas de lazer fundamentadas nas atividade gímnicas;
  • Integrar varias possibilidade de manifestações corporais às atividades gímnicas;
  • Oportunizar a autossuperação sociocultural entre os participantes ativos ou não;
  • Manter e desenvolver o bem estar físico e psíquico pessoal;
  • Promover uma melhor compreensão entre os indivíduos e os povos em geral;
  • Oportunizar a valorização do trabalho coletivo, sem deixar de valorizar a individualidade neste contexto;
  • Realizar eventos que proporcionem experiências de beleza estética a partir dos movimentos apresentados tanto aos participantes ativos quanto aos espectadores;
  • Desenvolver a cultura através das manifestações folclóricas;
  • Mostrar nos eventos as tendências da ginástica.

Onde Praticar Ginástica para Todos na escola?

A Ginástica para Todos pode ser praticada em locais que tenham um espaço mínimo para realização dos movimentos, porém, devido ao risco de queda ou de movimentos que podem levar a lesões, é necessário um cuidado com a segurança, como a colocação de colchões ou tatames e o acompanhamento de um profissional de Educação Física.

Planos de Aulas de Ginástica para Todos

Veja abaixo algumas dicas de atividades de Ginástica para Todos para a Educação Física escolar.

Dimensões do conhecimento trabalhadas: conceitos, procedimentais e atitudinais.

1. Iniciar a aula com um aquecimento utilizando movimentos de equilíbrio; pedir para os alunos se equilibrarem em dois apoios, excetuando a posição convencional de dois pés. Em seguida, três apoios, um apoio, etc. A partir da quantidade de apoios solicitada pelo professor o aluno pode criar diferentes formas de se equilibrar.

2. Desenvolver atividades explorando os equilíbrios ginásticos. Pedir aos alunos que fiquem em posições de equilíbrio comuns, como: avião, vela, parada de mãos, entre outros. Para alguns equilíbrios mais complexos, pode-se abrir mão do auxílio do colega.

3. Com a utilização de colchonetes suspensos por bancos, propor exercícios de rolamento para frente (com as pernas flexionadas, com as pernas afastadas, com as pernas unidas e estendidas, passando por dentro de um arco), rolamento para trás, roda e parada de mão. O professor deve fazer as intervenções necessárias para facilitar a realização dos movimentos, com total segurança para os alunos.

4. Com a utilização de um banco, propor aos alunos que realizem saltos sobre o banco (transpondo-o), dando atenção especial para a postura e finalização. Na sequência dessa atividade, o professor deve desafiar os alunos a fazerem alguns saltos próprios da ginástica: grupado, com as pernas afastadas lateralmente, tesoura, com as pernas afastadas para frente e para trás, entre outros.

5. O professor pode, ainda, trabalhar elementos gímnicos como giros, ondas, saltitos, poses, etc., com o intuito de oferecer condições para os alunos explorarem suas possibilidades por meio dos movimentos ginásticos mais básicos. Essa atividade pode ser realizada a partir da brincadeira do “Siga o Mestre”, em que os alunos devem utilizar os elementos ginásticos vistos até aqui, ou outros, de acordo com a criatividade de cada um, tudo de uma forma lúdica.

6. Propor aos alunos a realização de combinações dos exercícios já realizados. Alguns exemplos podem ser:

  • uma corrida, um salto e uma pose;
  • corrida, giro, salto e pose;
  • corrida, salto, rolamento e pose;
  • saltito, salto, equilíbrio e pose.

7. Reunir os alunos para um feedback sobre o trabalhado até o momento. Como tarefa para a próxima aula, todos devem pesquisar sobre Ginástica para Todos ou Ginástica para Todos e trazer um conceito particular, que se formará após a pesquisa. Após o trabalho de pesquisa, cada aluno deve apresentar, oralmente, o seu conceito pesquisado sobre a Ginástica para Todos aos demais colegas. O professor pode conduzir as discussões sobre o assunto.

8. Desafiar os alunos, individualmente, a montarem uma série de ginástica, contando com três exercícios diferentes. Seguidamente, formar duplas e propor que unam suas séries já montadas anteriormente. Depois, juntar trios e seguir o mesmo procedimento. Cada trio deve demonstrar suas séries para a turma.

9. Promover uma conversa com os alunos, pedindo sugestões de materiais que poderiam ser usados para a montagem de séries de Ginástica para Todos. Dar o exemplo de guarda-chuvas coloridos, que podem transformar uma apresentação em algo muito atrativo.

10. Formar três ou quatro grupos com a turma, sendo que cada grupo escolhe um material (diferente dos convencionais da ginástica) para ser usado (o professor pode fazer um sorteio para ser mais democrático). O próximo passo será a escolha da música a ser usada. Auxiliar os alunos na montagem de uma apresentação de Ginástica para Todos, em que os grupos participarão juntos, cada qual com o seu material. A série deve ser montada alternando a execução de cada grupo, dentro de uma mesma coreografia. Depois de pronta a coreografia, o professor pode marcar uma data para apresentá-la a toda a escola.

Orientações para as Atividades de Ginástica para Todos

  • Para a escolha da música, o professor deve orientar para que não seja uma música “da moda”, pois além de não ser apropriada para o ambiente escolar, a música deve transcender os modismos da indústria cultural, valorizando produções artísticas mais ricas. A emoção de uma apresentação de Ginástica para Todos é sentida não só pelos “olhos”, mas também pelos “ouvidos”, podemos entender a importância que a música representa para uma coreografia. Por esses motivos, é necessário se tomar muito cuidado na hora dessa definição.
  • Com relação ao vestuário, por se tratar de uma escola, onde o objetivo maior é a participação de todos, pode-se usar o próprio uniforme, realizando apenas algumas modificações no mesmo. Ou, ainda, estabelecer uma roupa fácil para todos, como calça e blusa preta, por exemplo. Essa escolha facilita a vida do professor e dos pais, além de diminuir os empecilhos para a participação de todos.
  • Algumas sugestões de formação podem ser trabalhadas com as crianças. Veja algumas dicas para facilitar o trabalho com a coreografia:

Formação para atividade de ginástica geral na escola

Plano de Aula 02: Atividade de Ginástica para Todos

Roda inicial

Na quadra, sente-se em roda com os estudantes. Explique que a temática abordada nas próximas aulas será a Ginástica para Todos, mais especificamente a Ginástica para Todos. Visando mapear os conhecimentos prévios dos estudantes, pergunte:

  • O que vocês conhecem acerca da história da ginástica?
  • Vocês sabem explicar como o movimento humano evoluiu junto com a espécie?
  • Alguém conhece o conceito da Ginástica para Todos?
  • Com base nas respostas dos estudantes, certifique-se de aprofundar os conceitos e contextualizar a construção do conhecimento. Em seguida, apresente aos estudantes o conceito da Ginástica para Todos.

A Ginástica para Todos é um programa sociocultural desenvolvido pela Federação Internacional de Ginástica (FIG) e, atualmente, adotado e praticado em diversos países do mundo. Por meio de atividades ginásticas, como a ginástica artística, a ginástica rítmica, a ginástica acrobática, a ginástica aeróbica e a ginástica de trampolim, e também de várias manifestações como danças, expressões folclóricas e jogos, tem por objetivo se adequar a todos os gêneros, faixas etárias, habilidades e formações culturais e contribuir para a saúde pessoal, o condicionamento e bem-estar físico, social, intelectual e psicológico. Ao utilizar materiais, músicas e coreografias, tem sempre a preocupação de apresentar, nesse contexto, aspectos da cultura nacional em eventos não competitivos. A Ginástica para Todos propicia experiências estéticas em movimento para participantes e espectadores, uma vez que a integração e a interação são pressupostos da modalidade.

Após apresentar o conceito da Ginástica para Todos aos estudantes, proponha algumas reflexões que os auxiliem a analisar criticamente os objetivos pretendidos por essa manifestação sociocultural.

  1. Quais são os objetivos gerais da Ginástica para Todos?
  2. Quais são os pressupostos ideológicos da Ginástica para Todos?
  3. De que forma conseguimos garantir o movimento corporal para todos?

Espera-se que, com a discussão da temática, os estudantes valorizem a Ginástica para Todos como um fenômeno sociocultural e compreendam as ideologias pautadas em princípios e valores de igualdade e equidade.

Conheça Nossos Canais

Educação Física Material de Educação Física

Youtube Dicas Educação Física Inscreva-se - Canal Dicas Educação Física

Instagram Dicas Educação Física Instagram Dicas Educação Física

Telegram Dicas Educação Física Canal no Telegram Dicas Educação Física


Desenvolvimento da Atividade de Ginástica para Todos

A ginástica acrobática é uma das modalidades propostas pela FIG e pertencente à Ginástica para Todos. Nessa prática, destacam-se elementos técnicos, figuras e formas por meio de composições estáticas ou movimentos dinâmicos, com destaque para a interação entre os ginastas.

Na formação dos grupos da modalidade, os ginastas têm diferentes funções, denominadas bases, intermédios e volantes. Os intermédios são responsáveis por conectar os bases aos volantes. Os bases, em geral, são as pessoas mais fortes e têm a função de sustentar e apoiar os intermédios e também o volante. O volante é, geralmente, o indivíduo com uma estrutura mais baixa e mais leve para poder facilitar o trabalho do grupo.

A responsabilidade, o respeito, a confiança e a autonomia são valores desenvolvidos com base na prática da ginástica acrobática e são capazes de fortalecer a empatia e os laços de amizade entre os estudantes da turma. Sugira aos estudantes que vivenciem algumas figuras e formas estáticas básicas da ginástica acrobática. A proposta a seguir pode ser realizada em qualquer espaço que garanta a segurança dos estudantes. Para tanto, utilize colchões e colchonetes no ambiente de prática.

Figuras Singulares

Proponha aos alunos que realizem algumas posturas singulares, importantes para o processo de formação em equipes. Enalteça a necessidade da sinergia nas ações musculares para que a postura seja equilibrada e harmoniosa. Para isso, escolha algumas das figuras apresentadas a seguir.

Ginástica para todos: figuras singulares

Proponha a execução de alguns exercícios que podem contribuir para o fortalecimento do vínculo e da confiança entre os estudantes, além de relembrar os conhecimentos acerca das articulações e dos músculos do corpo humano.

Inicie a prática mostrando os diferentes tipos de pegada, essenciais para a segurança dos praticantes na formação das figuras. Para isso, percorra desde a pegada simples, a pegada de dedos, a pegada de punhos a pega dos braços.

Ginástica geral pegadas

 

Figuras em Dupla

Na sequência, após o aprendizado das pegadas, desenvolva os exercícios de contrapeso. Os jovens devem trabalhar em duplas e reproduzir figuras equilibradas, como as propostas a seguir. É importante que, nesse momento, eles percebam como a ação consciente do par faz com que o movimento fique mais fácil.

Ginástica geral posições de dupla com pegada

Com prática, segurança e criatividade, você poderá, junto aos estudantes, construir outros exercícios de contrapeso. Na sequência, sugira que experimentem algumas figuras em duplas, antes de se organizarem em trios. Para isso, você pode utilizar as figuras abaixo como norteadoras da prática.

Ginástica para todos (geral) posições de dupla

Figuras em trios

Na segunda aula, você pode apresentar as imagens a seguir de forma progressiva e dar tempo para que os estudantes consigam executá-las. Para tanto, instrua-os a formar quartetos, nos quais um dos integrantes será responsável por dar suporte e garantir a segurança dos colegas durante as execuções. Você também pode utilizar músicas para que a vivência seja ainda mais agradável.

Ginástica geral formações de trio

Ressalte as questões de segurança e certifique-se de que os estudantes reconheçam e executem as posturas e os apoios corretos para a realização das figuras:

  • o apoio deve ser realizado no cóccix e não na coluna lombar;
  • o apoio deve ser realizado nos ombros e não nas escápulas;
  • o apoio deve ser feito nas coxas e não nos joelhos.

Roda final

Por fim, sente-se em roda, novamente, com os estudantes. Para nortear a discussão final, proponha algumas questões reflexivas que permitam transcender a experimentação da ginástica acrobática.

  1. Como a ginástica pode fazer parte do seu projeto de vida?
  2. Quais são os valores e atitudes que podemos desenvolver com a elaboração das figuras na ginástica acrobática?
  3. Quais são as barreiras que devemos ultrapassar para que o movimento seja possível para todos?

Você pode ampliar as reflexões e os conhecimentos abordados da maneira que considerar mais adequada, no entanto é esperado que os jovens, ao final dessas práticas, estabeleçam relações construtivas, empáticas, éticas, respeitando as diferenças e as limitações individuais. Além disso, pretende-se que eles reconheçam a Ginástica para Todos como fonte de saúde e de entretenimento.

Construção de materiais para atividades de Ginástica para Todos na Escola

Balangandã

1- Dobre uma folha dupla de jornal ou papel crepom ao meio no sentido do comprimento, dobre novamente, e novamente (3 vezes).
2- Cole com fita crepe 4 tiras compridas de papel crepom, uma de cada cor, de preferência.
3- Dobre mais uma vez, formando uma tira de jornal. (prendendo as tiras de crepom).
4- Enrole a tira, como um rocambole
5- Amarre com barbante o rolinho que se formou, dê dois nós firmes. Corte o excesso de um lado e deixe o barbante sobrando de outro, para que o aluno possa segurar.

Arco

Sua confecção pode ser feita a partir de conduítes (canos de PVC) de 80 a 90 cm de diâmetro, unindo suas pontas com uma fita adesiva, como também substituído pelo bambolê, material barato e que muitas escolas possuem.

Bola: geralmente as escolas também contam este material que não tem um preço muito alto, mesmo porque a bola de GR pode ser substituída por uma bola de plástico com a qual os alunos geralmente têm contato nas brincadeiras extraescolares. Entretanto, há algumas soluções para a confecção de bolas, como as bolas de meia preenchidas por folhas de jornal (várias camadas) com seu acabamento (parte exterior) feito por bexigas. Outra opção é encher uma bexiga com areia ou painço, envolvê-la com jornal com forro de fita crepe ou fita adesiva larga. Nesse caso, é preciso ter cuidado com o peso da bola que variará de acordo com a quantidade de areia ou painço. Recomendamos que não exceda os 400 gramas (que é o peso de uma bola oficial de GR).

Corda

Outro aparelho também muito encontrado nas escolas e no cotidiano dos alunos é a corda. Para sua adaptação, sugerimos as cordas feitas de folhas de jornal enrolado e torcido, envolvidas com fita adesiva larga. Outras opções são o feitio de tranças de barbante grosso, de elástico ou de tecidos velhos, como lençóis e toalhas cortados em tiras.

Fita

Já este aparelho é raro de ser encontrado nas escolas. Nas experiências que vimos desenvolvendo, é um dos que mais desperta a curiosidade dos alunos e dos que eles mais gostam de manipular. Ele é composto de uma parte rígida, comprida e cilíndrica, de uns 35 cm, que chamamos de estilete. Sua outra parte é flexível, de tecido (cetim, seda, etc.) de aproximadamente 7 cm de largura com 5 ou 6m de comprimento, nas medidas oficiais. Porém, para o público infantil, recomendamos que o comprimento do tecido tenha em torno de 3 a 5m dependendo da estatura da criança. A interligação entre o estilete e o tecido é feita por uma peça pequena, denominada girador, e também um pequenino gancho. A adaptação desse aparelho pode ser feita da seguinte forma: para substituir o estilete, podemos usar um cabinho do mata-moscas (sem a parte de borracha), uma canaleta de pasta escolar, um pedaço de bambu fino e cortado no tamanho do estilete ou mesmo a parte de madeira reta do cabide – tanto na alternativa do pedaço de bambu como na do cabide, recomendamos que a madeira tenha sido lixada, dando um acabamento arredondado ao “estilete”. O girador pode ser feito com um pequeno parafuso com a ponta em círculo (nas lojas de material de construção encontramos este item) ou um pedaço de arame fino, em conjunto com uma peça que é utilizada para pesca, denominada snap com girador. Já o tecido da fita pode ser feito de tiras de pano velho como lençóis ou toalhas de mesa, TNT, papel crepom ou jornal (porém os papéis têm uma durabilidade menor).

Maças

Este também é um aparelho incomum nas escolas, porém também desperta a curiosidade dos alunos. As maças são utilizadas sempre em pares e podem ser feitas de madeira, borracha ou microfibra. Elas se assemelham ao malabares, e cada uma delas é composta pela cabeça (que parece uma bolinha), pescoço (parte alongada e cilíndrica) e corpo, que é a parte cilíndrica, porém mais larga que o pescoço. Ela pode ser adaptada por garrafas pets de 600 ml com água ou outros materiais, como pedrinhas ou grãos, variando o peso de acordo com a idade e habilidade das crianças.

Mais Conteúdo de Ginástica na Escola

Fontes:

  • TOLEDO, Eliana. Fundamentos da ginástica rítmica. In: NUNOMURA, M; TSUKAMOTO, M.H. C. Fundamentos das ginásticas. Jundiaí: Fontoura, 2009. p.143-172.
  • http://mariaterezamarcal.blogspot.com.br/2011/03/como-fazer-um-balanganda.html acessado em: 06/05/2012
  • Livro Didático Público do Paraná/Educação Física 2ª Ed (O circo como componente da ginástica, pg 95 e 96).
  • Confederação Brasileira de Ginástica.
  • Escola de Educação Física e Desportos – UFRJ.

DICAS DE CURSOS ONLINE

  • Material de Educação Física
  • Educafit – Cursos de Educação Física Online
  • Cursos de Futsal Online
  • Cursos de Voleibol Online
  • Cursos de Futebol Online
  • Curso Preparatório para Concursos de Educação Física online
  • Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *